Ctrl+C, Ctrl+V: Coronelismo, enxada e voto

O curso de extensão “A Globalização e seus Reflexos Multidimensionais na América do Sul”, ministrado em outubro, na Universidade Federal de Uberlândia, pelo doutor em Ciências da Educação e em Ciência Política, Miguel Ángel Barrios, a convite do professor Helvécio Damis (FADIR-UFU), foi uma das valiosas oportunidades de reflexão fomentadas pelo ambiente acadêmico. Entre as diversas preocupações do estudioso argentino, destaco uma: os brasileiros desconhecem o Brasil. A partir disso, decidi antecipar a leitura de Coronelismo, enxada e voto, de Victor Nunes Leal.

Confesso que a leitura desta obra, até então, não era prioridade. Acredito que, sob o incentivo do palestrante argentino de que devemos desvendar o contexto social no qual estamos inseridos, comecei bem. Barbosa Lima Sobrinho, no prefácio à 2ª edição do livro publicada em 1975, afirmou que Coronelismo, enxada e voto é “uma obra fundamental para o conhecimento da realidade brasileira”.

Ainda no início da leitura de Coronelismo, enxada e voto, gostaria de compartilhar alguns trechos que parecem ter sido escritos nesta década, apesar de ter sido a primeira edição publicada em 1949. A contemporaneidade do livro é tamanha que seus leitores brasileiros são obrigados a conter a euforia de que tudo vai muito bem, obrigado.

A situação dos pequenos proprietários é em regra difícil em nosso país, sobretudo quando em contato com a grande propriedade absorvente. Essa precariedade é agravada pela pouca produtividade do solo nos casos em que o parcelamento da terra foi motivado pela decadência das fazendas. Somam-se ainda as dificuldades de financiamento. E todos esses inconvenientes pesam muito mais sobre as glebas ínfimas – de menos de 5 ha -, que em 1940 compreendiam 21,76% do número total dos estabelecimentos agrícolas. A pequena propriedade próspera constitui exceção, salvo naquelas regiões em que não está sujeita à concorrência da grande, nem se constitui como legatária de sua ruína.

Este é o quadro que nos apresenta o setor dos proprietários rurais, minoria irrisória da população do país: quadro que reflete a imensa pobreza da gente que vive no meio rural, já que os proprietários de mais de 200 ha não passavam na data do censo de 1940, de 148.622, considerando-se aproximativamente o número de proprietários igual ao de estabelecimentos agrícolas. Como os proprietários médios – de 50 a 200 ha, segundo o mesmo critério, somavam 327.713, teremos para uma população rural de 28.353.866 habitantes apenas 476.335 proprietários de estabelecimentos agrícolas capazes de produzir compensadoramente. É claro que tais dados não exprimem a situação exata de nossa economia agrária, pois também possuímos pequenas propriedades prósperas, e grandes propriedades arruinadas; são, contudo, basbtante expressivos para nos dar uma idéia bem viva das mesquina existência que suporta a grande maioria dos milhões de seres humanos que habitam a zona rural do Brasil (LEAL, 1975, p-p. 29-30).

Afirma Gisele Cittadino, na obra Pluralismo, Direito e Justiça Distributiva, que “se lançarmos um rápido olhar sobre nossa sociedade, vamos perceber, de imediato, o caráter perverso que o pluralismo social assume entre nós, de vez que ele se caracteriza, antes de mais nada, por profundas divisões sociais” (CITTADINO, 2009, p-p. 229-230).

Ignorar nossa herança cultural revela-se óbice a qualquer pretensão voltada à ruptura de paradigmas.

Até a próxima,
Stanley Marques.

Anúncios
Etiquetado , , , , , , , , , , ,

4 pensamentos sobre “Ctrl+C, Ctrl+V: Coronelismo, enxada e voto

  1. Karol disse:

    Parabéns pelo pontapé inicial de quebrar a inércia do desconhecimento da nossa história, das rízes brasileiras. Se a segunda fase da OAB me deixasse eu estaria lendo todos aqueles livros que ele indicou, e lerei! a hora vai chegar! Continue escrevendo! Gosto de ler seus posts!

  2. Regina disse:

    Meu querido, tudo bem por ai? Creio que sim. Olha sempre tive muito orgulho desta criaturinha ainda bebê(já tinha um olhar diferente), daí um dia tornou-se poeta, meu pequeno grande poeta. Agora, nem sei como classificar este jovem que se destaca com uma visão altruista, humanista, políticamente correto, inteligente, um grande lider, sem se deixar envolver mudando o conceito sobre o amor… É a magia da criação de Deus entre os homens deste milênio de transformação. Você é e será um dos que vão fazer a diferença. Eu te amo. Parabéns e muita sorte…
    Beijos carinhosos e literários da tia Regina (a tia babona)

  3. Obrigado pelas palavras tia Regina! Contarei com você nestas empreitadas de que você falou. Abraços, Stanley.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: